Licenciosidades

Qualquer bocadinho acrescenta, disse o rato, e mijou no mar.

"Não é da bondade do homem do talho, do cervejeiro ou do padeiro que podemos esperar o nosso jantar, mas da consideração em que eles têm o seu próprio interesse. Apelamos, não para a sua humanidade, mas para o seu egoísmo, e nunca lhes falamos das nossas necessidades, mas das suas vantagens"

Adam Smith (1776), Riqueza das Nações

terça-feira, agosto 30, 2005

Falta de meios...

São 22.10. Há cerca de 25 minutos passei de carro por uma frente de incêndio ainda no seu início. Junto à berma, as chamas estavam já altas mas a ocupavam uma área pequena, portanto perfeitamente controlável. Telefono para o 117, ninguém me atende. Telefono para o 112 e sou atendido duma forma tremendamente mal-educada, dizem-me que deveria era telefonar para o 117 que também era à borla... Que bom, que pechincha... Quando os informo de que já tinha telefonado, eles dizem-me que iriam tentar avisar os bombeiros e desligam. Esqueceram-se de me perguntar onde era o incêndio exactamente... Volto a telefonar para o 117, depois de tocar algumas vezes lá atendem, aviso-os do sucedido. Finalmente a ocorrência fica anotada. Passaram-se 15 minutos...
Quem assume os seus deveres de cidadania é assim... Só faltou ser multado por falar ao telemóvel enquanto conduzia.