Licenciosidades

Qualquer bocadinho acrescenta, disse o rato, e mijou no mar.

"Não é da bondade do homem do talho, do cervejeiro ou do padeiro que podemos esperar o nosso jantar, mas da consideração em que eles têm o seu próprio interesse. Apelamos, não para a sua humanidade, mas para o seu egoísmo, e nunca lhes falamos das nossas necessidades, mas das suas vantagens"

Adam Smith (1776), Riqueza das Nações

segunda-feira, setembro 05, 2005

Seca

Leio naquele blog grande demais para colocar aqui o nome que, segundo uma notícia no JN, para regar os 31 campos de golfe actualmente existentes no Algarve é necessário um volume de água equivalente ao consumo de uma cidade com 240 mil habitantes - ou seja, cerca de 60% da população residente na região... E fica-se por aqui.
Os malvados dos ricos estão a gastar a água que deveria alimentar saciar a sede do povo que padece nas ruas. Isto tem que acabar! Erguei-vos ó vítimas da fome... (a música não me sai da cabeça).
Um qualquer faxo capitalista, dum blog vulgar lembra-se de ler o resto da notícia e repara que afinal quem consome cerca de 75% da água do Algarve são os camaradas agricultores. Esses mesmos, os que vivem de subsídios e criam 3% da riqueza nacional. Isso levanta-me duas questões: quantos empregos são criados pela existência de estâncias hoteleiras com campos de golf e de terrenos agrícolas? Qual a riqueza criada pelos dois? Por último, mas não menos importante, será que a água utilizada para regar campos de golf teria utilidade doméstica?