Licenciosidades

Qualquer bocadinho acrescenta, disse o rato, e mijou no mar.

"Não é da bondade do homem do talho, do cervejeiro ou do padeiro que podemos esperar o nosso jantar, mas da consideração em que eles têm o seu próprio interesse. Apelamos, não para a sua humanidade, mas para o seu egoísmo, e nunca lhes falamos das nossas necessidades, mas das suas vantagens"

Adam Smith (1776), Riqueza das Nações

quarta-feira, dezembro 21, 2005

Reacções II

Acabei de ver o debate e nunca pensei que Soares pudesse descer tão baixo. A má-criação, a condescendência, a pose relaxada do rei da barriga, a mentira, a calúnia, a deturpação, a arrogânica, tudo não teve limites. Cavaco deve ter tomado uma caixa inteira de ansiolíticos para se controlar e não se atirar fisicamente a ele. Será que alguém imagina que uma pessoa que se comporta daquela forma merece e pode ser Presidente da República? Como é que os directores do Público e do DN têm o descaramento de achar que Soares ganhou "tacticamente"? Mas não é óbvio que aquilo que ele fez é duma nojice, dum grau zero de respeito, duma filha-da-putice-política sem limites?(...)
A má-criação do tratamento por "ele". Que depois passa aleatoriamente para "Doutor Cavaco", "Professor Cavaco", como quem "eu trato esse tipo que está aí como bem me apetecer". Soares que, do alto da sua licenciatura com uma média desprezível, fala de si próprio como "professor", por ter dado umas quantas aulas na universidade. Querendo-se por ao mesmo nível que Cavaco, professor catedrático, que dá aulas há anos e anos. Soares que trata Cavaco por "economista razoável", dizendo que não tem problemas em fazer "esse elogio". Cavaco resiste. Os ataques ad hominem não param. Que Cavaco "não tem conversa", que em qualquer situação social não sabe falar senão de economia.(...)
A partir de hoje, declaro que perco qualquer respeito pessoal por quem considere votar Soares depois de ter visto este debate. Perco também qualquer respeito intelectual por quem ache que Soares possa ter ganho o debate. A partir de hoje, passo de secundário a primário. Não sou - nunca fui - cavaquista. Mas por força do contexto, tenho de ser apoiante incondicional de Cavaco face à ameaça que os outros candidatos representam. Só espero que Soares não apareça à minha frente nos próximos dias, que não sei se me controlo.


Tiago Mendes, no Aforismos e Afins

1 boas festas:

Enviar um comentário

<< Home