Licenciosidades

Qualquer bocadinho acrescenta, disse o rato, e mijou no mar.

"Não é da bondade do homem do talho, do cervejeiro ou do padeiro que podemos esperar o nosso jantar, mas da consideração em que eles têm o seu próprio interesse. Apelamos, não para a sua humanidade, mas para o seu egoísmo, e nunca lhes falamos das nossas necessidades, mas das suas vantagens"

Adam Smith (1776), Riqueza das Nações

segunda-feira, janeiro 02, 2006

Teorias da conspiração pagas pelo erário público

A revista "função pública" é distribuída de forma gratuita entre os funcionários públicos, paga pelas contribuições dos funcionários públicos para o sindicato que a publica, o que significa que é paga pelo estado, ou seja, por todos nós. Na última edição é publicada uma teoria da conspiração digna dos bons velhos tempos do KGB. Sob o título de "O império do mercado" começa assim:


Os alicerces do Império do Mercado foram lançados há cerca de 90 anos no final da I Guerra Mundial. Desde então teceram-se os canais de uma rede de ligações perigosas, onde se estabelecem sinergias entre a actividade visível e as organizações secretas. A rede maturou entre as duas guerras mundiais e ganhou novo incremento após a II Guerra Mundial.

Até aqui nada de mais. Nunca houve um período de tão grande crescimento do bem estar mundial do que aquele desde o fim da II Guerra Mundial até hoje. Ligar o nascimento do Império de Mercado a essa altura é uma clara demonstração de fair-play.


As organizações multiplicaram-se e, em 1960, Friedrich von Hayek fixou o programa do neoliberalismo.

Cá está. O homem do cigarro.



Com a queda do muro de Berlim, em Novembro de 1989 e a posterior desagregação dos países de Leste, a globalização neo-liberal apropriou-se da tomada de decisão do mundo.


Cai o comunismo, a economia de mercado desenvolve-se. Darwin tinha uma boa explicação para isso. De notar que, desta vez, é colocado, correctamente, um hífen após o neo.

Sob o manto das corporações transnacionais, nasceram instituições, fundações e organizações que produzem ideias, influência e quadros.

Blogs, não?

A elite forma os herdeiros que lhes hão-de suceder nas empresas, no campo político, nos meios académicos e no campo dos media.


Qual foi a elite que colocou Francisco Louçã nos meios académicos e que criou a TVI e o DN? Será a mesma elite que paga a estes sujeitos para escreverem isto?

O grupo Bilderberg é uma sociedade secreta criada há 54 anos, em Oosterbeek, na Holanda.

Parabéns aos "jornalistas" do Função Pública por revelarem este grupo "secreto". Eu não percebo muito de jornalismo, mas suponho que tenham encontrado pistas sobre este secretíssimo grupo no vasto artigo da wikipédia sobre ele ou nas mais de um milhão de entradas sobre o mesmo no Google.

Portugal foi palco de um dos encontros que envolveu, como sucede em todos os casos, um procedimento e um aparato que os precede. As unidades hoteleiras são desocupadas com antecedência(...)

O enredo adensa-se:

Os convidados chegam em limusinas de vidros fumados e com escolta policial. Nalguns casos deslocam-se de helicóptero. São protegidos por agentes de serviços secretos como o MI6, CIA e Mossad, entre outros (...)

I saw it Scully! Hilariante.


Editores e patrões dos media entre eles Francisco Pinto Balsemão e Juan Luís Cebrián, asseguram que nada será noticiado sobre o acontecimento(...)

Vêr a coluna da esquerda desta capa do Expresso de... Francisco Pinto Balsemão.
Mais à frente o artigo revela um dos mais antigos segredos da blogosfera portuguesa: quem anda a pagar os ordenados a João Miranda e companhia:


Dinheiro dos Rockefeller financiaram também a difusão da teoria do economista austríaco Friedrich von Hayek, aquele que é considerado o pai do neoliberalimo.

Mais à frente:

Desde a sua fundação, o Movimento Europeu tem exercido influência em diferentes assuntos. Defendeu, designadamente, a eleição directa para o Parlamento Europeu, a instituição do tratado de Maastricht e uma Constituição Europeia que consagre o federalismo.

Onde é que me inscrevo?

O fundador de Bilderberg exprime a opinião de que «é difícil reeducar o povo, que foi criado no nacionalismo, para a renúncia de uma parte da sua soberania para um corpo supra-nacional»

Onde é que me inscrevo?

É na sua origem um instrumento da guerra fria que visa a unificação da europa (incluindo a reunificação das alemanhas) (...)

Reunir as Alemanhas? É impressão minha ou nesta revista, paga pelos contribuintes, está a ser exultada a separação das Alemanhas, o Muro de Berlim, etc? De referir que tanto a minúscula em "alemanhas" como qualquer outro erro ortográfico são copiados ipsis verbis do artigo.


A estrutura da Bilderberg é constituída por uma comissão consultiva de quatro membros(...)

Seguem-se 2 colunas inteiras dedicadas a descrever todos os membros da Bilderberg, os seus nomes, cargos, o número de presenças de cada um nas reuniões, a percentagem no total de membros de cada país (Portugal tem 4,4% dos membros, Turquia 3,8% e por aí fora), as profissões dos membros, etc. Tudo muito secreto portanto.
O artigo é longo e um tremendo chorrilho de disparates saídos de uma qualquer série de ficção de teorias da conspiração. De notar que estes "jornalistas" usam uma fonte que defende que os aviões que atingiram as torres gêmeas eram telecomandados e que foram colocados explosivos de vêspera nas mesmas torres. É assim que os sindicatos da função pública andam a utilizar o dinheiro de todos para, aproveitando-se da ignorância de quem os segue, espalharem ideais da extrema esquerda.

27 boas festas:

  • Não me parece que os funcionários públicos (é um termo demasiado abrangente) sejam sindicalizados, compulsivamente, no sindicato [qual?] que publica a citada revista... quanto ao resto, excelente análise.

    By Blogger pedro oliveira, at segunda-feira, janeiro 02, 2006 10:58:00 da tarde  

  • Pedro, a revista é editada pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública que integra todos os sindicatos da função pública. De facto, os funcionários públicos não são forçados a fazer parte do sindicato mas têm tremendas vantagens, garantidas pelo estado, na sua relação laboral em fazerem parte o que, na práctica faz com que sejam todos.

    By Blogger CGP, at segunda-feira, janeiro 02, 2006 11:45:00 da tarde  

  • simplesmente genial!

    By Blogger Salvador, at terça-feira, janeiro 03, 2006 12:57:00 da manhã  

  • para quê tentar ser original ?

    simplesmente genial!

    By Blogger Mário Almeida, at terça-feira, janeiro 03, 2006 4:05:00 da manhã  

  • Excelente post!

    By Blogger Ra, at terça-feira, janeiro 03, 2006 10:54:00 da manhã  

  • Serviço público.

    Vou recalmar junto da entidade empregadora porque os pagamentos pelo Insurgente estão em atraso.

    By Blogger André Azevedo Alves, at terça-feira, janeiro 03, 2006 4:34:00 da tarde  

  • E o Dr. Balsemão é um maroto: emprega um número infindável de gente de extrema esquerda só para disfarçar...

    By Blogger André Azevedo Alves, at terça-feira, janeiro 03, 2006 4:35:00 da tarde  

  • Obrigado, mas penso que o mérito deve ir todo para os argumentistas da teoria. Não está no post mas no artigo vêm referidos alguns nomes de perigosos neo-liberais portugueses entre os quais: Jorge Sampaio, Elisa Ferreira, Manuel Maria Carrilho, José Cutileiro, Margarida Marante, João Cravinho e Nicolau santos.

    By Blogger CGP, at terça-feira, janeiro 03, 2006 5:29:00 da tarde  

  • "É assim que os sindicatos da função pública andam a utilizar o dinheiro de todos para, aproveitando-se da ignorância de quem os segue, espalharem ideais da extrema esquerda."

    Creio que os sindicatos da função pública não recebem dinheiro do Estado.

    Será que quando um funcionário público compra fiambre no supermercado, é o "erário público" que está a pagar o fiambre?

    Ou, quando um trabalhador do Modelo compra um carro, é o Belmiro de Azevedo que está a pagar o carro?

    E a respeito dos "ideias de extrema-esquerda", o site em questão até é de extrema-direita (e está à venda nas livrarias um livro pró-John Birch Society a dizer quase a mesma coisa sobre o grupo bilderberg - nem me admirava nada que tenha partido daí muita da inspiração para o artigo)

    By Blogger Miguel Madeira, at terça-feira, janeiro 03, 2006 8:03:00 da tarde  

  • Miguel Madeira,
    Como deve saber, a maior parte dos sindicatos são, em parte, financiados pelo estado. Mesmo que não o fossem directamente, os benefícios laborais que são dados aos sindicalistas fazem com que, em muitos casos, estes até deixem de trabalhar tornando-se sincalistas em full-time, pagos pelo estado.
    Mais, salvo erro a revista panfleto é distribuída com portes pagos.

    By Blogger CGP, at terça-feira, janeiro 03, 2006 8:21:00 da tarde  

  • Talvez até seja assim, mas o seu argumento não era esse - era que a revista era "paga pelas contribuições dos funcionários públicos para o sindicato que a publica" e, portanto, era "paga pelo estado, ou seja, por todos nós".

    Pelo seu ultimo post, vejo que chegou à conclusão que o seu argumento inicial não fazia sentido nenhum e está à procura de outros.

    Já agora, a respeito dos sindicatos receberem dinheiro do Estado, penso (mas posso estar totalmente enganado) que os sindicatos só recebem verbas para actividades específicas (como formação profissional), não para a despesa geral do sindicato.

    Quanto ao porte pago e aos privilégios dos sindicalistas até deve ter razão, mas não sei se isso será financeiramente tão relevante que se possa dizer que a revista é paga pelo "erário público" (nesse sentido, quase todas as publicações por assinatura são pagas pelo "erário público")

    By Blogger Miguel Madeira, at terça-feira, janeiro 03, 2006 9:51:00 da tarde  

  • E o Pato Donald, perigoso alter-neo-liberalista, não passou pela prosa?

    Genial.

    By Blogger Range-o-dente, at terça-feira, janeiro 03, 2006 9:54:00 da tarde  

  • Um reparo (ou talvez mais...): não me parece que pelo facto de o nome de uma sociedade, ou os nomes dos membros que a integram serem conhecidos, esta deixe de ser secreta. Creio que a designação se refere a actividades secretas levadas a cabo pela mesma sociedade.
    A revista é de facto distribuída com portes pagos. No entanto, concordo com o M.Madeira: parece-me abusivo dizer que esta é financiada pelo erário público, quando qualquer funcionário público sindicalizado tem obrigatoriamente que pagar cotas para o ser.
    Dado que só se é sindicalizado por vontade própria e só lê a revista quem para tal tiver pachorra, desde que o artigo seja meramente opinativo parece-me que quem o escreve tem todo o direito a mandar os bitaites que lhe aprouver.Igualmente abusiva me parece a generalização "da ignorância de quem os segue": a meu ver, o cartão do sindicato não é um atestado de ignorãncia.
    Não quer isto dizer que discorde da sua análise do texto propriamente dito.Pelo contrário.
    É a primeira vez que visito o blog mas estou a gostar.Felicidades.

    By Anonymous Anónimo, at quarta-feira, janeiro 04, 2006 6:51:00 da manhã  

  • Caro Anónimo,
    A função de um sindicato é compensar a falta de informação e consequente perda de capacidade de negociação que cada trabalhador individual tem. Não é, em caso algum, defender ideologias políticas. Como sabe, há muitos anos que isso não acontece em Portugal e esta revista é só mais uma prova disso. Se os sindicatos promovem o desemprego e não passam de braços armados do PCP, acabe-se com os sindicatos e quem quiser espalhar teorias absurdas que o faça do seu próprio bolso.
    Refere que o cartão de sindicato não é um atestado de ignorância. O cartão de indicato é tão prova de ignorância como o cartão de sócio do FCPorto. Mais a sério, eu não estava a dizer que os funcionários públicos sindicalizados são ignorantes mas pense na reacção que o português médio terá ao lêr um artigo daqueles. Felizmente um portuguêsmédio não lê artigos de 15 páginas.
    Volte sempre.

    By Blogger CGP, at quarta-feira, janeiro 04, 2006 9:08:00 da manhã  

  • “Se os sindicatos promovem o desemprego e não passam de braços armados do PCP…”

    Essa é a sua opinião, karloos, tão legitima, ou tão pouco, como todas as outras, incluíndo as dos sindicalistas. Nem sequer sei em que é que se baseia, aliás. A do “braços armados do PCP” é hilariante e revela total desconhecimento sobre o assunto. Não me refiro ao “armado” (uma interessante figura de estilo), mas sim à alegada ligação de todos os sindicatos (segundo percebo) ao PCP.

    “acabe-se com os sindicatos e quem quiser espalhar teorias absurdas que o faça do seu próprio bolso”

    E a sua opinião, como é óbvio, não deve em nada interferir com o direito dos outros a exprimir as suas, nem deve interferir igualmente com a legitimidade da existência de sindicatos. Só faltava essa.

    “A função de um sindicato é compensar a falta de informação e consequente perda de capacidade de negociação que cada trabalhador individual tem. Não é, em caso algum, defender ideologias políticas”.

    Muito comovente, o seu paternalismo. Mas olhe que os sindicatos, historicamente, há muito que defendem ideologias politicas. É por isso que existem sindicatos socialistas, comunistas, social democratas, etc. A defesa dos direitos dos trabalhadores (ui, olha o esquerdalho) não se limita à “informação” corporativa e à “negociação”. Às vezes têm a ousadia de querer alterar as coisas de forma mais profunda, com o pretexto de só assim poderem melhorar a vida dos seus representados. Desculpe lá, mas já vão longe os tempos das guildas e das confrarias profissionais da Idade Média. De qualquer maneira, acho que não tem de se preocupar, porque nenhum sindicato da função pública (ou outro) tem previsto a curto prazo qualquer revolução armada de tomada de poder, que eu saiba.

    Já agora, meu caro, olhe que os sindicalistas da função pública também se alimentam com o seu dinheiro, através do salário que recebem. E é por se alimentarem com o seu dinheiro que se mantém vivos e podem manifestar a sua opinião tanto na tal revista, como em qualquer outro lado, incluíndo aqui o seu blog. Acho que vai ter de tomar medidas contra tal desaforo.

    caramelo

    By Anonymous Anónimo, at quarta-feira, janeiro 04, 2006 12:03:00 da tarde  

  • Caro Caramelo,
    Os seus argumentos só podem levar a uma discussão circular e eu não estou muitopara isso. Expliquei tudo muito bem em cima. Só lhe deixo a seguinte pergunta: O que é que o caro Caramelo diria se, em vez daquela imbecil história de sociedades secretas, viesse nessa revista um apelo à expulsão dos pretos dos país para defender os nossos trabalhadores? Continuaria a defender a liberdade de expressão à custa do erário público?
    "E é por se alimentarem com o seu dinheiro que se mantém vivos e podem manifestar a sua opinião tanto na tal revista, como em qualquer outro lado, incluíndo aqui o seu blog. Acho que vai ter de tomar medidas contra tal desaforo."
    Primeiro, pergunte a qualquer funcionário médio o que ele pensa do grupo Bilderberg e verá se a revista reflecte a opinião dos funcionários públicos. Entre reflectir e manipular vai uma grande diferença.
    Segundo, é completamente livre de exprimir a sua opinião neste blog. Aliás, se lêr uns 9 post abaixo, verá que eu defendo a liberdade total de expressão. Mas aqui é de borla...

    By Blogger CGP, at quarta-feira, janeiro 04, 2006 2:25:00 da tarde  

  • Karloos, pergunta-me se “continuaria a defender a liberdade de expressão à custa do erário público”, se o artigo fosse racista. Mas eu lembro-lhe que não discuti consigo o teor do artigo em causa. O que me interessou, e motivou o meu comentário, foi a sua indignação com o facto de uma opinião com que não concorda, tanto que a qualifica de imbecil, ter sido paga com o erário público. Já lhe digo o que penso do artigo, ou do racismo. O que eu coloquei em causa é o facto de você achar que os sindicatos teriam menos liberdade para usar a liberdade de expressão nas suas revistas, quando essa liberdade de expressão é paga pelo erário público. Acho que percebeu os meus argumentos. E agora pergunto-lhe: quais, em sua opinião, são as opiniões que podem ser expressas nas revistas dos sindicatos da função pública? Quem é que traça esses limites? Quais são eles? Podem defender o aumento de salários? Bem, sempre poderia surgir alguém a dizer que defender aumento de salários para os funcionários públicos é uma coisa imbecil… Podem defender a segurança no emprego? Poderá sempre surgir alguém a dizer a mesma coisa ou pior e invocar o estaline e o Trotsky.... Ou será que nas revistas dos sindicatos, por serem pagas pelo erário público, não pode simplesmente, haver artigos de opinião?
    De resto, tem uma estranha acepção de “liberdade de expressão á custa do erário público”, e que se traduz no facto de os funcionários públicos pagarem as quotas dos seus sindicatos com o seu salário. Levado ao extremo essa sua lógica (e tem de estar pronto para essa consequência) terá de admitir que tudo o que um funcionário público faz, incluíndo comentar no seu blog, é feito à custa do erário público. Precisamente porque é o seu salário que lhe permite sobreviver e agir.
    O mais engraçado é que a sua liberdade de expressão também sai, com frequência, do bolso do erário público. Sobretudo nos momentos mais decisivos. Olhe que quando vota, serve-se de uma máquina do estado que fica bastante cara. E quando vai (se for, se quiser) a um comicio, ou outra coisa qualquer do género, serve-se inevitavelmente de infra-estruturas pagas pelo erário público.

    P.S. Porque é que os meus argumentos só podem levar a uma discussão circular? Que parte dos arguemntos e circular porquê?

    caramelo

    By Anonymous Anónimo, at quarta-feira, janeiro 04, 2006 5:02:00 da tarde  

  • "E agora pergunto-lhe: quais, em sua opinião, são as opiniões que podem ser expressas nas revistas dos sindicatos da função pública? Quem é que traça esses limites? Quais são eles? Podem defender o aumento de salários? Bem, sempre poderia surgir alguém a dizer que defender aumento de salários para os funcionários públicos é uma coisa imbecil… Podem defender a segurança no emprego?"

    1.As opiniões que devem ser expressas numa publicação sindical são de teor sindical. Ou seria admissível para si que o sindicato publicasse uma revista pornográfica? Os exemplos que dá não são inocentes e revelam que também sabe que tipo de artigos devem ser escritos numa publicação daquelas. É necessário bom-senso.
    2.Aquele não é um artigo de opinião.

    Como explico acima, os funcionários pagam quotas aos sindicatos porque tal lhes dá beneficios garantidos pelo estado. Depois também há subsidios directos e indirectos que mantêm as estruturas a funcionar.

    By Blogger CGP, at quarta-feira, janeiro 04, 2006 5:33:00 da tarde  

  • Não, não acho bem que os sindicatos publiquem revistas pornográficas. Nenhum o faz, aliás. Mas olhe que muitos sindicalistas consomem pornografia à custa do erário público, na sua histórica acepção de “à custa do erário público”… Carlo karloos, a nossa discussão estava balizada na legitimidade dos sindicatos expressarem opiniões de caracter politico e ideológico nas suas revistas. O karloos acha que não. A únicas opiniões que aceita que sejam aí publicadas seriam as de teor sindical, e o “teor sindical” para si, resume-se às questões puramente negociais. Eu repito-lhe que essa concepção esta há muito ultrapassada. Era assim, por exemplo, nas corporações do Estado Novo. Talvez não se tenha ainda apercebido disso, mas os sindicatos desde sempre tiveram uma forte intervenção politica. Os sindicatos, inclusive, já derrubaram governos e mudaram regimes, e a reinvidicação dos direitos de classe já levaram a alterações mais ou menos profundas das estruturas sociais. Eu não sei o que faz, mas se for empregado por conta de outrém, pode ter a certeza que alguns dos direitos que hoje usufrui foram conquistados com lutas que hoje qualificaria como ideológicas. Os sindicatos, na acepção moderna de sindicatos (que até é relativamente antiga) não são, nunca foram, organizações assépticas, por mais politicamente incorrecto que isto lhe soe. Não se preocupe tanto com o seu dinheiro (é isso o “erário público”, não é?). Preocupe-se antes com que a liberdade de expressão de todos, incluíndo sindicalistas, funcionários públicos ou não, esteja assegurada.

    caramelo

    By Anonymous Anónimo, at quinta-feira, janeiro 05, 2006 9:53:00 da manhã  

  • Só para concluir a nossa discussão, eu ficarei à espera dos benefícios que a publicação desta história terá para mim e todos os trabalhadores. Nessa altura, dar-lhe-ei razão.

    By Blogger CGP, at quinta-feira, janeiro 05, 2006 9:56:00 da manhã  

  • Só mais uma palavrinha sobre o tal texto. Já lhe tinha dito que não concordo com o seu teor. Parece-me, de facto, uma mal amanhada teoria da conspiração. Mas, disparatada ou não, não deixa de ser um exercício de liberdade de expressão num campo que o seu autor ser de teor sindical, na lata acepção que eu lhe falei.
    Outra coisa, karloos: nem todos os artigos de opinião (sejam ou não publicados em boletins sindicais) têm que ter "benefícios". Muitas vezes são só isso: opiniões.

    caramelo

    By Anonymous Anónimo, at quinta-feira, janeiro 05, 2006 10:12:00 da manhã  

  • És:capaz de detectar cada fragmento menos alinhado na folha que lês; mas: não és capaz de te colocar numa folha.
    Pensa:quantos fragmentos desalinhados terás?

    By Blogger PCF, at sábado, janeiro 07, 2006 5:29:00 da manhã  

  • Muitos, certamente. Mas jogos de palavras, por muito intelectualmente estimulantes que sejam, não escondem o óbvio nem disfarçam a verdade.
    Volte sempre.

    By Blogger CGP, at sábado, janeiro 07, 2006 6:21:00 da tarde  

  • Ora aqui sim senhora um belo post.
    Mesmo à globalização. Umas arrufadas e risotas sobre o grupo Bilderberg e antes disso uma laracha sobre o dinheiro dos contribuintes para entreter a malta. Que importância quem é que paga a revista? O assunto é muito mais importante e pelos vistos não é assim tão inverosímel a contar pelo que se pode ler na net:
    http://www.portugal.indymedia.org/ler.php?numero=96&cidade=1
    http://www.causanacional.net/bilderberg.htm
    Leiam e reflictam. Ou andam restam dúvidas de que somos governados por quem não tem escrúpulos em crescer (leia-se enriquecer) à custa, seja da pobreza dos outros, seja da "normalidade" dos países "desenvolvidos".

    By Anonymous Anónimo, at terça-feira, março 21, 2006 4:06:00 da manhã  

  • By Anonymous Anónimo, at quinta-feira, fevereiro 22, 2007 1:16:00 da manhã  

  • This is very interesting site... »

    By Anonymous Anónimo, at sexta-feira, março 16, 2007 3:08:00 da tarde  

  • Excellent, love it! »

    By Anonymous Anónimo, at sexta-feira, abril 27, 2007 12:39:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home