Licenciosidades

Qualquer bocadinho acrescenta, disse o rato, e mijou no mar.

"Não é da bondade do homem do talho, do cervejeiro ou do padeiro que podemos esperar o nosso jantar, mas da consideração em que eles têm o seu próprio interesse. Apelamos, não para a sua humanidade, mas para o seu egoísmo, e nunca lhes falamos das nossas necessidades, mas das suas vantagens"

Adam Smith (1776), Riqueza das Nações

quarta-feira, maio 10, 2006

Subdesenvolvimento

Na Argentina, o Estado quer disponibilizar uma televisão por escola para que os alunos vejam os jogos da selecção durante o tempo de aulas. Espera-se que os professores saibam integrar a novidade nos "conteúdos" da matéria a leccionar. A medida gerou protestos dos professores, mas logo o/a Benavente lá do sítio alertou para a excelente oportunidade de se ensinar as crianças a relacionarem-se com os meios audiovisuais enquanto festejam ou choram as vitórias ou derrotas da sua selecção.
Em Portugal, 6 advogados estagiários estão de escala na véspera do 25 de Abril. Para aproveitar a ponte, não foram marcadas audiências. Os advogados estão lá a manhã toda à espera sem aparecer ninguém; esperam também a tarde inteira. Não aparece ninguém. Não há audiências marcadas e também nenhum arguido foi apresentado nesse dia. É um dia de trabalho perdido para todos eles.
Cada advogado tem a haver do Estado cerca de 100 Euros por esperar sentado numa sala. A multiplicar por 6, são 600 Euros que o Estado gasta para que 6 pessoas fiquem sentadas braços cruzados. Bastava 1 pessoa para o caso de algum arguido ser apresentado...

Subdesenvolvimento é isto. Não é falta de recursos que causa a pobreza dos países do terceiro mundo, mas o seu desperdício sistemático e organizado. Diria mesmo voluntário.

Nota: as escalas são pagas com meses de atraso. Não correspondem, na maior parte das vezes, a qualquer trabalho sério efectuado pelo advogado-estagiário até porque ele só tem possibilidade de conhecer o processo 5 minutos antes da audiência.

3 boas festas:

Enviar um comentário

<< Home